Paradigmas do MongoDB

Esses dias trabalhei firme no meu mapeador para MongoDB, o MongoParadigm. O código dele, como sempre, está disponível no GitHub. Atualmente estou me esforçando para integrar ele com Rails, e depois disso tudo pretendo finalmente implementar o “has :many” e o “belongs_to”. Pensei como seriam essas associações, e percebi que elas era a parte menos importante do MongoDB.

Isso porque eu acho que estou entendendo o que exatamente é uma base de dados orientada a “documentos”, finalmente – trabalhando na UFABC, é fácil de ver esse tipo de coisa: O registro de um aluno é um documento (no caso, de uma pessoa). O histórico do aluno é outro documento – e essa é a parte interessante, o histórico é um documento que pertence a um aluno, e não o contrário. Isso deve ficar bem documentado no MongoDB, porque apesar de não parecer, as bases de dados relacionais levam a gente a pensar de forma não-natural. Por exemplo, quando você vai armazenar um histórico de notas de um aluno em uma base relacional, normalmente você não armazena UM histórico, e sim um monte de registros que estão ligadas a um aluno por uma chave. Agora, é perfeitamente simples de entender porque o MongoDB não implementa trasações – afinal, no caso dele, se fosse necessária uma alteração se está mexendo em UM documento, e não em 20 registros, por exemplo.

(more…)

Usando frameworks Java com JRuby

Estes dias, estava vendo uns projetos antigos e lembrei de um framework bem legal para Java chamado ZK. O problema do ZK é que você consegue aproveitar o máximo dele quando você programa usando Servlets, e não usando o modelo ZUL dele. Lembrei de alguns projetos que fiz, de algumas coisas interessantes que ele fazia e também lembrei que eu cheguei a programar com Servlet em Ruby, e aqui vai como eu fiz mais esse trabalho para evitar Java. NOTA: Isso funciona com qualquer framework Java, seja ele ZK ou Echo2 ou qualquer outro, porque na verdade o que você faz é escrever algumas linhas de código de “cola” e depois passa o controle para o JRuby

A primeira coisa que você precisa é do JRuby instalado, e de um compilador Java. Crie seu projeto normalmente, e provavelmente você terá uma classe que será responsável por instanciar a primeira classe (janela, página, seja lá o que for) do seu Servlet. Nesse ponto que a “mágica” acontece. Para simplificar as coisas, que vou criar uma classe (chamada Inicial) que instanciará uma JFrame. Toda a JFrame será definida em JRuby.

(more…)

A importância de vegetar um pouco

Parece estranho o título de um post assim, mas vamos lá:

Quem nunca parou para olhar o céu, imaginar desenhos nas nuvens? Quem nunca ficou escutando uma música, e parou tudo o que estava fazendo só para ouvir a letra, imaginar um cenário, sei lá? Pegar uma folha de papel, encher ela com desenhos de bonecos ou escrever as primeiras palavras que vem na sua cabeça, por menos sentido que elas façam?

Pra que tudo isso? Vegetar faz bem, por menos sentido que isso pareça fazer. Faz bem não pensar em nada de vez em quando, liberar sua mente de qualquer idéia, e deixar que as coisas fluam. Parece meio loucura isso, mas eu sempre sinto que eu produzo mais quando não estou pensando ativamente naquilo que estou fazendo, simplesmente deixando “fluir”. É como tocar piano – quanto mais você tenta acertar o movimento das duas mãos, mais difícil fica. Mas quando você “esquece” de prestar atenção, parece que a coisa vai mais fácil.

(more…)

Linguagem de Programação GO

Hoje, algumas pessoas no twitter e até mesmo aqui na UFABC me mandaram um link: http://golang.org/. Parece que é uma linguagem desenvolvida pelo Google, para procedimentos internos, sejam lá quais eles forem.

Resolvi dar uma olhada no site, nos exemplos, para ver o que há de novo. Primeiramente, o típico “Hello World” em Go:

package main
import "fmt"

func main() {
  fmt.Printf("Hello, world\n")
}

Minha primeira impressão foi: meu Deus, reinventaram o Java! Sintaxe C/C++, construções estranhas (fmt.Printf?). Mas fica pior:

func nextInt(b []byte, pos int) (value, nextPos int)
func ReadFull(r Reader, buf []byte) (n int, err os.Error)

Percebem? Uma função chama-se nextInt, a outra ReadFull. Me lembra do PHP e suas funções sem padronização de nomes… e a sintaxe?
(more…)

Programação Procedural em Java

Ok, o título parece estranho, mas é algo que me preocupa: Afinal, POR QUE as pessoas confundem tanto desenvolvimento orientado a objeto com procedural? Recentemente eu fiz uma integração do Jasper com Ruby (projeto Jasper on Rails, no meu github) e me vi tendo que usar a API do Jasper. É mais ou menos assim (em JRuby):

  modelo = "#{DIR}/arquivo.jasper"
  dados = File.read("#{DIR}/dados.xml")
  str_reader = java.io.StringReader.new(dados)
  input_source = org.xml.sax.InputSource.new(str_reader)
  documento = JRXmlUtils.parse(input_source)

  params = {
    JRXPathQueryExecuterFactory::PARAMETER_XML_DATA_DOCUMENT => documento
  }
  fill = JasperFillManager.fill_report(modelo, params)
  pdf = JasperExportManager.export_report_to_pdf(fill)
  return String.from_java_bytes(pdf)

(more…)

Jasper on Rails

Esses dias comecei a estudar como integrar algum sistema de relatório ao Rails. O problema principal é que nenhum sistema de relatórios possui editor visual (para Layout, essas coisas fazem uma diferença…). Felizmente, existe o Jasper, com o iReport que Read more…

DataMapper versus ActiveRecord

Outro dia, tive um problema chatíssimo com o ActiveRecord: eu precisava criar um código de autenticidade, que conteria várias matrículas, que conteria várias disciplinas. O problema é o seguinte: Essas matrículas só seriam válidas se, por exemplo, o total de créditos das disciplinas não ultrapassassem um determinado número. Logo, resolvi fazer a validação no modelo de autenticidade, da seguinte forma:

class Autenticidade < ActiveRecord::Base
  MAX_CREDITOS = 40
  has_many :matriculas
  has_many :disciplinas, :through => :matriculas
  validate :credito_alto?

  def credito_alto?
    total = disciplinas.inject(0) { |r, v| r += v.creditos }
    errors.add(:disciplinas, 'créditos acima do permitido') if total > MAX_CREDITOS
  end
end

class Matricula < ActiveRecord::Base
  belongs_to :disciplina
  belongs_to :autenticidade
end

class Disciplina < ActiveRecord::Base
end

Ok, o problema agora é o seguinte: Se eu crio uma autenticidade, com o parâmetro :disciplina_ids => [1, 2], por exemplo, e a autenticidade não é válida, nenhuma nova matrícula é criada – como deveria ser. Agora, se eu atualizo uma autenticidade, com o  autenticidade.update_attributes( :disciplina_ids => [1, 2]), e essa autenticidade não é válida, o ActiveRecord salva as matrículas. Nesse caso, eu tenho uma inconsistência na base de dados feia – e precisava encontrar uma alternativa que não envolvesse muitos hacks, coisa que ainda não encontrei. Mas isso me estimulou a pesquisar o DataMapper.

(more…)